Bicicletada contra o aumento do ônibus

Essa baixinha aqui pedalou 22 km sorrindo. Foto: Palmas (clique na imagem)

Bicicletadas são explosões coletivas de alegria e o prazer é mais subversivo do que a raiva (texto em inglês). Essas são as premissas para tentar entender o que aconteceu em São Paulo na noite de sexta-feira, 28 de janeiro, na primeira Bicicletada de 2011.

Ciclista com cartaz nas costas. Foto: Daniel Santini

O tema escolhido para este mês foi o aumento do preço do ônibus na capital. Em 5 de janeiro, a tarifa passou de R$ 2,70 para R$ 3, o que fez com que São Paulo permanecesse como a cidade com o ônibus mais caro do Brasil. Uma cidade em que compensa mais comprar uma moto do que utilizar transporte coletivo é uma cidade condenada à fumaça e aos congestionamentos. E a não ser que você goste de pedalar respirando um ar nojento, vai concordar que faz total sentido unir esforços com quem defende melhorias no sistema de transporte coletivo e priorização de investimentos para o público em detrimento do transporte individual motorizado (leia-se ampliação de avenidas, túneis, pontes faraônicas e outras obras que só beneficiam quem tem carro e tornam a cidade mais cinza e feia).

O tema da Bicicletada foi este, muita gente levou cartazes reclamando da tarifa, teve cantoria, distribuição de panfletos e interação com motoqueiros, motoristas e pedestres. Os que esperavam nos pontos aplaudiram as reivindicações. Mas não foi só isso que aconteceu.

Distribuição de panfletos e adesivo no banco de trás de uma bike. Foto: Daniel Santini

Felicidade
Mais do que reclamar e gritar, a Massa Crítica celebrou. Encontros, reencontros, conversas, crianças com os pais, sobrinhos, namorados de mãos dadas pedalando, ciclistas ajudando skatistas nas subidas, gente feliz junta em uma confusão de sorrisos e luzes coloridas piscando. Arrisco que havia umas 500 pessoas, talvez menos, talvez mais.

Fato é que tinha tanta gente que desta vez até um helicóptero a Polícia Militar destacou para sobrevoar o grupo, com direito a holofotes sobre a Massa. A PM, que na semana retrasada havia reprimido com violência um protesto contra o aumento da tarifa, desta vez acompanhou com respeito e até ajudou a bloquear o trânsito para o grupo fluir sem interrupções, minimizando o congestionamento. Tirando um ou outra discussão e tensão entre ciclistas e PMs inconformados em não encontrar o líder em um movimento radicalmente horizontal e sem hierarquia, tudo correu bem.

Percurso detalhado com média de velocidade por trechos (clique na imagem)

Aliás, travar o tráfego só por travar, interromper a circulação de ônibus ou hostilizar motoristas durante a Bicicletada, são armas pouco eficazes que mais provocam raiva do que reflexão. Vale a premissa que abre este texto, seduzir é mais eficiente do que obrigar. O movimento tem que ser de convite. Motoristas são aliados naturais em uma disputa por cidades com trânsito mais eficiente – ninguém quer ficar parado o dia todo.

O grande barato desta bicicletada foi o respeito e a alegria contagiante durante todo o percurso. Como quando, na Avenida Paulista ainda, todos pararam na faixa quando alguém gritou  “PEDEEESTRE”. Não tem preço ver o sorriso da senhora atravessando, encantada. Ou ver o pique do Márcio Campos, incansável distribuindo panfletos e explicações simpáticas aos que tiveram que aguardar para a Massa passar. Ele ouviu de um mulher sentada no banco de passageiro: “vocês estão devolvendo a vida e a alma perdidas a essa cidade”.

Seduzir é isso. É escrever sobre política em um nível acadêmico refinado com tesão como fez o Odir neste texto aqui ao falar da Bicicletada; é ter vontade, acreditar e querer uma cidade diferente.

São Paulo pode ser divertida, colorida e entusiasmante, e não essa coisa cinza, disforme e eficiente ao extremo que estamos construindo. Se gosta desta ideia, considere-se convidado para a próxima Bicicletada, na última sexta-feira do mês, às 20h, na Praça do Ciclista, esquina das avenidas Consolação e Paulista.

Veja também:
Fotos no Flickr do Everton Alvarenga
Fotos no Flickr do Radamés Ajna
Fotos no ImageSchack do Adriano

Anúncios

6 Responses to “Bicicletada contra o aumento do ônibus”


  1. 1 Marcio Fernandes 31/01/2011 às 11:56 am

    Ações assim devem ser mesmo lembrada por nós, indiferente da causa, ela parece estar se divertindo muito.

    parabéns Isabela.

  2. 2 Fernanda de Carvalho 01/02/2011 às 9:33 am

    Parabéns pela matéria e claro pelo evento.
    Precisamos de mais projetos como este por São Paulo inteiro.
    Mais divulgação pelas redes TV e jornais.

  3. 3 Fernanda Rodrigues Siqueira 01/02/2011 às 10:34 am

    Olá. Adorei a matéria muito boa mesmo. É de atitudes como está que fazem toda a diferença.

  4. 4 Juliano 02/02/2011 às 11:24 am

    Parabéns Santini. Cada dia melhor o blog. Gostei muito das premissas. É fundamental divulga-las para não arrumarmos mais inimigos no trânsito, mas sim aliados. Abraço grande, Juliano

  5. 5 Chikago 04/02/2011 às 11:30 am

    O custo da passagem de ônibus é igual ao custo do transporte das empresas dividido pelo número de passageiros pagantes (e estudante vale meio passageiro nesse cálculo). Assim, em um pais onde o imposto é abusivo, não há isenções ou redução para compra de ônibus (existe para mototaxi, para taxi, mas não para onibus), e o governo inventa gratuidades a torto e a direito, a resposta está aí.

    E no dia que alguem for a favor de qualquer aumento (menos o do proprio salário) alguem faz uma reportagem, oras. Pq ninguem gosta de aumento, seja ele do açucar, do pão, ou da cerveja.

    Vamos fazer uma passeata pq subiu a cerveja?


  1. 1 Sobre Bicicletadas, rebeldia e causas « Outras Vias Trackback em 29/04/2011 às 1:12 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Os autores

Daniel Santini é jornalista, tem 31 anos e pedala uma bicicleta vermelha em São Paulo. Também colaboram no blog Gisele Brito e Thiago Benicchio.

Junte-se a 55 outros seguidores

janeiro 2011
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Dica de leitura

compartilhe ideias

Quando uma cidade congestiona é preciso pensar alternativas de trânsito; discutir, dividir caminhos e dialogar. Ocupe este espaço.

Creative Commons License

outras vias no twitter

((o))eco no twitter

((o))ecocidades no twitter

  • Copa do Mundo das áreas protegidas: México. No campo da preservação da natureza os mexicanos jogam bonito. ow.ly/y7eYh 3 years ago
  • Copa do Mundo das áreas protegidas: Irã. Com 1 vitória em Copas, também não vai bem se o assunto é áreas protegidas. ow.ly/y47GD 3 years ago
  • No centro das políticas ambientais brasileiras está o MMA. Entenda qual o seu papel. ow.ly/y47CM 3 years ago
  • Relatório indica lacunas no monitoramento de qualidade do ar. População tem pouca informação sobre emissões. ow.ly/xOLbG 3 years ago
  • Livro mostra como usar integralmente os alimentos e incentiva a redução do lixo orgânico residencial. ow.ly/xGVz6 3 years ago

%d blogueiros gostam disto: