Bonde para Curitiba – Descida da Graciosa

Esta é a última parte do vídeo da viagem para Curitiba: a descida da Serra da Graciosa!  Assim que der, disponibilizo também a edição final, com as três partes. Se tudo der certo, a versão completa entra com bem mais qualidade que as demais e pode demorar um pouquinho para baixar. Vale principalmente para quem participou e quer uma lembrança para guardar. Para quem não foi, dá para ter uma ideia do que são as Massas Críticas de São Paulo e Curitiba e da descida. Na Graciosa, a chuva impediu a filmagem do trecho final, justamente o mais bonito, mas tentei dar um jeitinho e encaixei no final do vídeo algumas fotos daqui.

Vamos lá. No domingo, 1º de agosto, alguns dos partipantes do Bonde para Curitiba seguiram para Morretes, cidade no pé da Serra do Mar. A previsão era de chuva e, no frio do comecinho da manhã, foi muito bom ver raios de sol.

"Pedalando contra as guerras por petróleo", na bike do J.P. Amaral

O grupo saiu do centro e seguiu por este caminho aqui. Tinha de tudo. Bicicletas com caixotes (é, caixotes mesmo, presos na garupa), como esta no destaque aí do lado; bicicletas fixas, aquelas bikes lindas cujas catracas não rodam em falso – toda vez que a roda gira, você tem que pedalar, o que é especialmente complicado em descidas…; a bicicleta de dois andares do Gallo; e até uma speed, aquelas bikes de corrida, com pneu fininho e um guidão engraçado. Tirando esta última, todas serviram para descer a Serra. Fica a dica: se você planeja descer a Graciosa, o ideal é usar uma bicicleta com pneu largo, suspensão boa e pastilhas de freio novas.

O começo da viagem é asfalto puro, bom para conversar e trocar ideias. Fui pedalando do lado de gente tão boa quanto o Denis Russo, o Oscar dos Bicicleteiros de Curitiba, o J.P. Amaral, do coletivo Ecourbana e da GreenMobility, entre tantos outros. Deu para conhecer melhor pessoas que  eu acompanhava faz tempo e discutir perspectivas e sonhos.

Preparo: capa de chuva, garrafinha e uma pinha (para ninguém se perder)

Quando o asfalto termina, além da terra, tem um trecho de cascalho. Pedalar com pedras rolando para os lados exige concentração, força e determinação – principalmente se o pneu for fininho. O Fernando Henrique, o amigo que tinha decidido se arriscar com a speed, viu logo a fria em que estava. Esforçado, carregou a speed nas costas durante alguns trajetos e pedalou tentando compensar o atraso com velocidade nos outros.

Companhia de Engenharia de Tráfego de Bicicletas sinaliza buracão no meio do caminho.

Os primeiros do grupo conseguiram chegar na estrada asfaltada do trecho final antes da chuva. Quem ficou para trás, viu a terra e a poeira se transformarem em lama. Com a chuva forte, o trecho da descida de paralelepípedo virou um sabão. Descemos devagar, com cuidado. O único acidente que vi foi o de um casal de moto que derrapou. A menina machucou o braço e ficou bastante assustada. Ajudamos ela a pegar carona com um carro que passava.

Lama, frio e alguns arranhões.

Em Morretes, cachaça de banana, barreado, um prato típico sensacional, e meias novas em um mercadinho. Os retardatários foram socorridos pelo Gallo e o André Pasqualini. O Fernando Henrique, da speed, depois de furar o pneu aproximadamente 32.334.535 vezes, acabou de carona na bike de dois andares. E a Larissa Wakatsuki, de speed, levou a bike dele nas costas.

Ninguém fica para trás.

Leia também: Bonde Curitiba – relato extenso.

Anúncios

8 Responses to “Bonde para Curitiba – Descida da Graciosa”


  1. 1 Felipe Aragonez 10/08/2010 às 7:12 pm

    A Larissa estava de fixa! hehe

  2. 2 Aline Cavalcante 10/08/2010 às 8:16 pm

    “CETB fazendo o melhor para vc”

  3. 3 bicicreteiro 11/08/2010 às 3:12 am

    Quanto melhor pior, eu particularmente gostava da estrada como era antes, de terra, mas o asfalto vai poder tornar o roteiro mais fácil para os cicloturistas iniciantes.

    Aproveitando, o link do trajeto que está no Blog é o que fizemos no ano passado. Nesse ano fizemos esse aqui. Não mudou muita coisa, apenas o trecho urbano ficou um pouco mais longo, mas bem mais fácil, mais plano.

    http://www.bikely.com/maps/bike-path/Graciosa-2010

    Abração e até 2011!


  1. 1 Cicloviagem para Itu « Outras Vias Trackback em 11/10/2010 às 6:11 pm
  2. 2 “Vou de bike”: música e vídeo clipe sobre o uso da bicicleta | Vá de Bike! Trackback em 08/05/2011 às 4:19 am
  3. 3 Estacionamento para bicicletas em Curitiba parece piada | Vá de Bike! Trackback em 09/05/2011 às 4:15 pm
  4. 4 Estacionamento para bicicletas em Curitiba parece piada - Polaco Doido Trackback em 16/05/2011 às 3:24 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Os autores

Daniel Santini é jornalista, tem 31 anos e pedala uma bicicleta vermelha em São Paulo. Também colaboram no blog Gisele Brito e Thiago Benicchio.

Junte-se a 54 outros seguidores

agosto 2010
S T Q Q S S D
« jul   set »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Dica de leitura

compartilhe ideias

Quando uma cidade congestiona é preciso pensar alternativas de trânsito; discutir, dividir caminhos e dialogar. Ocupe este espaço.

Creative Commons License

outras vias no twitter

((o))eco no twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

((o))ecocidades no twitter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: